A VELHA SENHORA POLÍTICA BRASILEIRA, DESDENTADA, PERNETA, ACÉFALA.

Temos assistido nas campanhas dos candidatos, o mesmo discurso de sempre, ou seja, melhorar a saúde a educação e a segurança. Infelizmente falta foco nas políticas a serem desenvolvidas, principalmente nos projetos alternativos de desenvolvimento sustentável, conciliando métodos de proteção ambiental, justiça social e eficiência econômica, com adoção de tecnologias mais brandas e limpas.

A proteção do meio ambiente torna-se, elemento fundamental para o processo de desenvolvimento, temos observado que a maioria dos gestores municipais, traçam políticas de desenvolvimento, não considerando a sustentabilidade, conforme estabelece as ações contidas na Agenda 21.

Apenas para demonstrar que pequenas ações de política ambiental são viáveis, por gestores municipais e contribuem para geração de recursos, como também empregos, damos como exemplo o projeto implantado pela Cidade de Votorantim em São Paulo, na reciclagem de bitucas de cigarro (guimbas) construindo uma pequena usina, projeto 100% nacional, desenvolvido em parceria com a Universidade Federal de Brasília, que  transforma o material recolhido , através de diversos coletores fixos espalhados pela cidade , em papel. Vejam a importância deste projeto, além da eliminação das bitucas que são jogadas no solo, que podem contribuir na alteração na qualidade da terra e prejudicar o ecossistema, gera uma pequena fonte de recursos, como também emprego.

Outro exemplo de política ambiental é o projeto da Cidade Inteligente Búzios, o objetivo do projeto é reduzir o impacto ambiental da cidade por meio da redução sustentável do consumo de energia e emissões de CO2, foi implantado na praia uma  bomba que retira a água doce do subsolo, que resulta em  uma ducha, utilizada pelos banhistas após o banho de mar,  movida a  energia solar.

“A nova geração de medidores de luz digitais que a maioria dos brasileiros só conhecerá daqui a alguns anos já é realidade em Búzios. 222 novos medidores de luz já foram instalados na cidade e a previsão, até setembro do ano que vem, é que 6 mil equipamentos iguais a esses sejam instalados em Búzios. O equipamento é conhecido como medidor inteligente. Os principais benefícios para o cliente são a geração distribuída e a possibilidade de gerar a própria energia. Essa energia excedente pode ser injetada na rede e o consumidor receber crédito por essa energia.”(fonte jornal da Globo – coluna sustentável)

Também podemos citar o projeto da cidade do Rio de Janeiro, desenvolvido pelo governo do Estado em parceria com outras instituições para ressocialização de presos, com a criação de uma Cooperativa para o aproveitamento da polpa do coco verde, que são recolhidos nas praias após a utilização de sua água, na fabricação de balas e cocadas, gerando emprego, renda e a ressocialização do preso, evitando assim descartar este material em lixões que poderia levar cerca de oito anos para decompor-se na natureza.

Esperamos que na eleição que se aproxima, os novos Prefeitos eleitos desenvolvam projetos de fato inovadores buscando parcerias públicas privadas, como também os centros de excelência de pesquisa das universidades, para obtenção de novos recursos, geração de empregos respeitando o desenvolvimento sustentável de nossas cidades.

Angelo José D’Ambrosio é Mestre na área Internacional, Professor de Economia e Direito Internacional

Angelo José D'Ambrosio

Mestre em Gestão Econômica Empresarial pela Fundação Getulio Vargas – FGV –RJ. Pós-graduado em Administração de Empresas pelo CEPG – Centro de Especialização e pós-graduação do Centro Superior de Vila Velha. Graduado em Ciências Contábeis pelo Centro Superior de Vila Velha. Graduado em Direito pelo Centro Superior de Vila Velha . Profissional liberal atuando na área do Direito Internacional, com 33 anos de experiência em cargos executivos de empresas nacionais (RJ, ES e BH), com foco em finanças e Comércio Exterior. Consultor de empresas com ênfase em Direito Internacional planejamento estratégico, construção de cenários, Marketing Internacional e gestão empresarial, no segmento de comércio exterior . Prof. Universitário nas cadeiras de Direito Internacional e Economia Internacional .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *